Mas e os cães?

Muitas pessoas me criticam e questionam do porquê não atender cães também.

Vamos primeiro ao óbvio:

Medicina veterinária não é uma profissão fácil, vidas não podem ser tratadas de forma desleixada, sem estudo constante e intenso, sem atualizações, não podemos demorar na elaboração de um tratamento ou diagnóstico.

Eu trato outros gatos da mesma forma que gostaria que os meus fossem tratados.

Faço o meu melhor, sempre estudo o máximo possível pra que o atendimento seja o mais próximo do perfeito.

E estudo só gatos há mais de 3 anos, com acompanhamento de rotina em clínicas exclusivas para gatos, participação em congressos, simpósios, encontros, cursos. Durante a graduação quase inteira foquei muito mais no que era ensinado sobre os felinos e fiz uma pós graduação na área.

Cães e gatos são bem diferentes

As doenças entre cães e gatos são bem diferentes, a escolha de tratamentos, as doses de fármacos, e a abordagem e manejo durante a consulta também são. Porque felinos tem um comportamento diferente, a espécie tem uma domesticação muito mais recente que o cão e ainda mantém um pouco do seu comportamento ‘selvagem’.

Eu tenho uma afinidade bem maior com o comportamento felino do que com o canino.

Mas a conclusão é a seguinte:

Eu não vou tentar trabalhar com uma espécie que eu não seja absolutamente apaixonada, e que eu sei que não darei o melhor atendimento possível. É muito tempo de estudo e dedicação, tenho que amar MUITO o que faço.

Eu não darei atendimento com insegurança, em que possam ocorrer falhas.

Porque em profissões de área da saúde, qualquer pequeno erro pode matar. O tempo que eu levo pra conseguir diagnosticar uma doença pode matar, um erro de conta pra dose de um medicamento pode matar.

Valorize o trabalho da pessoa que cuida do seu animal. E compreendam que eu não tenho aversão a espécie canina, valorizo a vida deles e suas particularidades, por isso sei que não tenho competência para atendê-los hoje em dia.

Aos meus pacientes, eu nunca darei menos que o excelente.

E se houver um momento que perceber que meus conhecimentos não são suficientes, encaminharei a outra profissional de minha confiança, pedirei auxílio, estudarei mais.

Mas nunca deixarei de dar o melhor aos meus pacientes, minha paixão eterna, os gatos.
Categorias: Especialização

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *